Ribbip Ribbip

Águas de Março




Águas de Março

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço é o anzol

É peroba do campo, é o nó da madeira
Caingá, candeia, é o Matita Pereira

É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumieeira

É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira

Uma ave no céu, uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto o desgosto, é um pouco sozinho

É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manhã, é o tijolo chegando

É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama

É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato, na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã

São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração.


The Waters of March

A stick a stone, it's the end of the road,
it's the rest of the stump, it's a little alone
it's a sliver of glass, it is life, it's the sun,
it is night, it is death, it's a trap, it's a gun.

the oak when it blooms, a fox in the brush,
the knot in the wood, the song of the thrush.
the wood of the wind, a cliff, a fall,
a scratch, a lump, it is nothing at all.

it's the wind blowing free. it's the end of a slope.
it's a beam, it's a void, it's a hunch, it's a hope.
and the riverbank talks of the water of march.
it's the end of the strain, it's the joy in your heart.

the foot, the ground, the flesh, the bone,
the beat of the road, a slingshot stone.
a fish, a flash, a silvery glow,
a fight, a bet, the range of the bow.

the bed of the well, the end of the line,
the dismay in the face, it's a loss, it's a find.
a spear, a spike, a point, a nail,
a drip, a drop, the end of the tale.

a truckload of bricks in the soft morning light,
the shot of a gun, in the dead of the night.
a mile, a must, a thrust, a bump.
it's a girl, it's a rhyme, it's the cold, it's the mumps.

the plan of the house, the body in bed,
the car that got stuck, it's the mud, it's the mud.
a float, a drift, a flight, a wing,
a hawk, a quail, the promise of spring.

and the riverbanks talks of the waters of march.
it's the promise of life, it's the joy in your heart,
a snake, a stick, it is john, it is joe,
it's a thorn in your hand, and a cut on your toe.

a point, a grain, a bee, a bite,
a blink, a buzzard, the sudden stroke of night.
a pin, a needle, a sting, a pain,
a snail, a riddle, a weep, a stain.

a pass in the mountains. a horse, a mule,
in the distance the shelves rode three shadows of blue.
and the riverbanks talks of the waters of march.
it's the promise of life in your heart, in your heart.

a stick, a stone, the end of the load,
the rest of the stump, a lonesome road.
a sliver of glass, a life, the sun,
a night, a death, the end of the run
and the riverbank talks of the waters of march.

it's the end of all strain, it's the joy in your heart.
[PR]
by wiscott | 2013-09-21 04:13 | その他/Misc.